A MENSAGEM CRISTÃ - Emmanuel

Jefferson Severino - 28/05/2019 SC 01571 JP

A MENSAGEM CRISTÃ
Emmanuel

 
Não se reveste o ensinamento de Jesus de quaisquer fórmulas complicadas.
 
Guardando embora o devido respeito a todas as escolas de revelação da fé com os seus colégios iniciáticos, notamos que o Senhor desce da Altura, a fim de libertar o templo do coração humano para a sublimidade do amor e da luz, através da fraternidade, do amor e do conhecimento.
 
Para isso, o Mestre não exige que os homens se façam heróis ou santos de um dia para o outro.
 
Não pede que os seguidores pratiquem milagres, nem lhes reclama o impossível.
 
Dirige-se a palavra Dele à vida comum, aos campos mais simples do sentimento, à luta vulgar e às experiências de cada dia.
 
Contrariamente a todos os mentores da Humanidade, que viviam, até então, entre mistérios religiosos e dominações políticas, convive com a massa popular, convidando as criaturas a levantarem o santuário do Senhor nos próprios corações.
 
Ama a Deus, Nosso Pai - ensinava Ele -, com toda a tua alma, com todo o teu coração e com todo o teu entendimento.
 
Ama o próximo como a ti mesmo.
 
Perdoa ao companheiro quantas vezes se fizerem necessárias.
 
Empresta sem aguardar retribuição.
 
Ora pelos que te perseguem e caluniam.
 
Ajuda aos adversários.
 
Não condenes para que não sejas condenado.
 
A quem te pedir a capa cede igualmente a túnica.
 
Se alguém te solicita a jornada de mil passos, segue com ele dois mil.
 
Não procures o primeiro lugar nas assembléias, para que a vaidade não te tente o coração.
 
Quem se humilha será exaltado.
 
Ao que te bater numa face, oferece também a outra.
 
Bendize aquele que te amaldiçoa.
 
Liberta e serás libertado.
 
Dá e receberás.
 
Sê misericordioso.
 
Faze o bem ao que te odeia.
 
Qualquer que perder a sua vida, por amor ao apostolado da redenção, ganhá-la-á mais perfeita, na glória da eternidade.
 
Resplandeça a tua luz.
 
Tem bom ânimo.
 
Deixa aos mortos o cuidado de enterrar os seus mortos.
 
Se pretendes encontrar-me na luz da ressurreição, nega a ti mesmo, alegra-te sob o peso da cruz dos próprios deveres e segue-me os passos no calvário de suor e sacrifício que precede os júbilos da aurora divina!
 
E, diante desses apelos, gradativamente, há vinte séculos, calam-se as vozes que mandam revidar e ferir!...
 
E a palavra do Cristo, acima de editos e espadas, decretos e encíclicas, sobe sempre e cresce cada vez mais, na acústica do mundo, preparando os homens e a vida para a Soberania do Amor Universal.  
 
Emmanuel
Psicografia de Francisco Cândido Xavier
Livro: Roteiro 
 




« Leia outros artigos